sexta-feira, 9 de julho de 2010

Ruínas da casa.


Já era tarde quando não estavas aqui.
Músicas invadiam os quartos
A brisa quente
esvaziava o dia.

Já faz tempo...
e o futuro se refez
em nó e contra-tempo...ficamos para trás como os desejos
que esquecemos de lembrar.
Planos desfeitos;
VIDAS refeitas.


Francisco Saldanha

4 comentários:

  1. Belo poema!!! Tragédia(...não estavas aqui...) Tempo(...e o fututo se refez...) Renascimento(...VIDAS refeitas...). O HOMEM é capaz de reconstruir sua vida apesar de momentos catastróficos, é a lei da experiência, vivida por cada um de nós. Ruínas de casas.

    ResponderExcluir
  2. ... ficamos para trás como os desejos que esquecemos de lembrar...

    Poesia para se pensar. È dessas que relemos 2, 3 vezes e encontramos sentidos diferentes a cada leitura.

    ResponderExcluir
  3. Ficamos para trás com os desejos que esquecemos de lembrar. Muito profundo.

    ResponderExcluir


Fernando Pessoa